História

Pirque e Las Majadas

Pirque é uma terra fértil e cultivada, protegida pelos montes do sopé da cordilheira nas suas bordas leste, sul e oeste. O rio Maipo é o seu limite norte, que o separa da cidade de Santiago, e no lado sul as suas terras são atravessadas pelo rio Clarillo. Um vai a Pirque, é um destino em si, não passa por Pirque para ir a outros lugares. Isso faz com que seja um lugar protegido e quase isolado, que preserva as suas tradições e estilo de vida rural, tranquilo e pitoresco. Os inícios de Pirque remontam ao período pré-colombiano, quando os nativos Picunches habitavam a área. Em meados do século XVI, o vale foi dividido entre a merced de Don Alonso de Córdova e a parcela de Don Rodrigo de Quiroga, marido de Dona Inés de Suárez. Após a morte deste casal, Don Alonso adquiriu a parcela ao chefe Sebastián e toda Pirque foi renomeada El Principal de Córdova. Em 1620 a viúva de Córdova, Victoria Urbina, vendeu a propriedade e, desde então, mudou de mãos várias vezes.

Isso levou Pirque a um lento declínio, até que em 1764 foi adquirido por Don José de Gana, quem reconstruiu as suas instalações. Don José morreu em 1786 e a terra foi herdada pelos seus filhos. Mais tarde, em 1830, os seus descendentes venderam a propriedade para Don Ramón Subercaseaux Mercado, um empresário de exploração mineira de sucesso, com pouco mais de 40 anos. Esse último construiu em Pirque a obra mais importante da época: o Canal de Pirque, que conduz, até hoje, as águas do rio Maipo e as distribui pelo vale.

Graças a esta grande obra e outros avanços, em 1854 Pirque era a terceira propriedade mais rica da província de Santiago. Ramón Subercaseaux Mercado morreu em 1859 e em 1864 a fazenda Pirque foi dividida em seis quinhões, entre os seus filhos e a sua esposa Magdalena Vicuña. Ela herdou Santa Rita, enquanto a sua filha Manuela ficou com La Isla, o seu filho Antonio com El Cruceral, Dona Emiliana com El Llano, Carmela com San Juan e o seu filho mais novo, Francisco, herdou de Las Majadas. Este último, de apenas 21 anos, era um jovem e brilhante empresário, viajante incansável, que costumava vir a Pirque para visitar a casa da sua mãe e visitar o seu inquilino, Manuel Jesús Carvajal, que cultivava as famosas pastagens Las Majadas. Ele queria ter uma casa na sua parcela e tinha um parque plantado num declive suave ao pé do canal que o seu pai havia feito. Muitos anos depois, ele construiu uma pequena, mas elegante casa colonial no meio das árvores crescidas. Numa das suas viagens, os seus filhos, os Subercaseaux Browne, quiseram surpreendê-lo e em 1905 encomendaram ao arquiteto Alberto Cruz Montt a construção de uma nova casa para Las Majadas. Por sua vez, o Parque foi confiado ao paisagista Guillermo Renner, quem o redesenhou e aproveitou as árvores existentes, além de plantar inúmeras outras espécies exóticas, seguindo a tradição da época.

Em 1907, como resultado da crise do nitrato, Francisco Subercaseaux foi obrigado a vender muitas das suas propriedades para pagar dívidas, mas manteve Las Majadas, da qual a sua esposa herdou após a sua morte. A propriedade permaneceu na família até 1928, quando foi vendida a Don Julio Nieto, um bem-sucedido fazendeiro do Vale do Aconcágua.

Após a sua morte, o seu único filho, José Julio Nieto Espínola, herdou da propriedade e fortaleceu-a com forte trabalho agrícola no que hoje é chamado de fazenda Las Majadas. Don José Julio junto com a sua esposa, Elvira Varas Montt, fizeram de Las Majadas a sua casa. Os seus filhos cresceram aqui: Hortensia, Isabel, Luz, Elvira, Julio e Antonio; quem viam que o trabalho no campo e a convivência familiar com os primos se misturavam com receções sociais, como a festa para comemorar a passagem de comando do presidente Don Gabriel González Videla, para receber o vice-presidente dos Estados Unidos o Sr. Wallace ou o Príncipe Bernard da Holanda. Também memoráveis foram as missões realizadas na sua capela com os padres Capuchinhos, que reuniam centenas de pessoas todos os verões. Após a morte de Don José Julio Nieto em 1972, a propriedade foi dividida entre os seus filhos e a casa permaneceu nas mãos de Dona Elvira Varas, quem reunia a sua família em Las Majadas todos os verões. Quando ela faleceu em 1987, os seus descendentes tiveram de assumir a propriedade. Eles abriram o Parque à comunidade para a realização dos bem-sucedidos e esperados concertos da Fundação Rosita Renard e, ao mesmo tempo, desenvolveram um projeto imobiliário que atraiu novos vizinhos ao redor do coração do Parque.

Em 2006, Wenceslao Casares, um jovem empresário argentino, apaixonou-se pela propriedade depois de conhecer o Parque e o Palácio, pelo que então adquiriu-a para fazer dela a sua casa. Os negócios levaram Wenceslao a finalmente estabelecer-se em Palo Alto, Califórnia; e Las Majadas permaneceu em busca de um destino nobre. Foi assim que, em 2010, Wenceslao associou-se ao amigo e empresário chileno Pablo Bosch. Ambos propuseram-se fazer de Las Majadas o primeiro ponto de encontro da América Latina, focado no desenvolvimento de pontes entre pessoas com objetivos comuns, baseados na confiança e na reciprocidade. Uma verdadeira fábrica de redes humanas, o que o filósofo Francis Fukuyama define como capital social.

Las Majadas Logo White
Las Majadas Logo White
Las Majadas Logo White
Las Majadas Logo White
Las Majadas Logo White
Las Majadas Logo White
Las Majadas Logo White
Las Majadas Logo White
Las Majadas Logo White